Escultura

O estático é o movimento em estado puro
Fetiche dos olhos que não o veem
Desejo da alma
que, extática,
teme o fim do afeto que a aferra à vida
teme o fim do tempo
que o esteta flagra
e finge exterminar
na pedra
em que funde tempo êxtase vida
e por fim o fim
do que é vivo:

o estático que tanto se quis.

Anúncios

Sobre Jose Polifonia

O blog do Zé Polifonia não é daqueles em que encontrará novidades e posts todos os dias. As postagens são erráticas justo por seu conteúdo: são pequenos contos, histórias e uma tentativa de romance escrito via web. Talvez sejam textos aborrecidos para se ler em monitor em razão dos parágrafos por vezes longos demais para tela (se é que há isso). Bom, quem vai dizer se são bons para tela (ou não) é você. Ali no twitter há também uns microcontos -em www.twitter.com/josepolifonia.
Esta entrada foi publicada em Escritos, Poesia com as etiquetas , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Escultura

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s